Meio Ambiente

“Pirataria do Carbono” avança sobre a Amazônia Peruana, alerta relatório

A Amazônia peruana é o novo centro global de “pirataria de carbono”, com bancos, ambientalistas e empresários correndo para abocanhar os direitos legais do comércio de carbono, informa um relatório da Asociación Interétnica de Desarrollo de la Selva Peruana (AIDESEP), divulgado ontem na reunião climática da ONU em Durban, na África do Sul.

Mais de 35 grandes projetos, que abrangem cerca de hectares 7m de floresta tropical do Peru, foram criados para lucrar com o mercado global de compensação voluntária de carbono voluntário, dizem os autores do relatório.

Um esquema da ONU chamado Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd) permite que uma compensação aos países que se comprometerem a reduzir as emissões por desmatamento.

Líderes mundiais esperam concluir as negociações do Redd, em Durban, na próxima semana, abrindo um vasto mercado de carbono global para com os países com grandes áreas florestais.

No entanto, um relatório tem alertado que os países em desenvolvimento não estão prontos para o Redd e que comunidades estão sendo pressionados a assinar acordos contra os seus interesses.

Nesse documento, líderes indígenas dizem que empresas, ONGs e indivíduos têm ludibriado comunidades analfabetas e consultado população depois de os projetos terem sido implantados.

Líderes indígenas peruanos dizem ainda que a corrida para incluir as comunidades da Amazônia nos programas de compensação de carbono tem sido como uma “nova febre”, comparável às práticas das empresas internacionais que no passado exploraram a extração de petróleo eborracha na região.

“As ONGs, consultores do mercado de carbono e os investidores estão vagando pela selva em busca de comunidades com potencial de compensação”, disse Alberto Pizango Chota, chefe da AIDESEP.

“Há casos de comunidades que abriram mão de seus direitos ao assinar contratos sem qualquer ponto definido”, completou.

“Vários desses acordos estão sendo realizados com cláusulas de confidencialidade estrita e sem supervisão independente ou suporte legal para as comunidades vulneráveis””.

“Alguns desses povos ainda não estão plenamente alfabetizados em espanhol, mas está sendo solicitado a assinar acordos legais complexos em Inglês”.

Dos 35 projetos conhecidos, pelo menos 11 são planejados em terras indígenas reconhecidas oficialmente, mas milhões de hectares de terra não demarcada pelo governos poderiam ser alvo de apropriaçãoe de conflito, diz o relatório.

“Nas comunidades quase ninguém sabe o que é Redd e há um risco de que as ONGs e as empresas cheguem nas comunidades para nos enganar e escravizar”, disse um líder comunitário.

“Muitas comunidades não sabem seus direitos, ou as leis, e são enganadas; É o que acontece com os madeireiros”.

(Fonte: The Guardian)

Clique aqui para ler o texto original em inglês.

Leave a Reply